jusbrasil.com.br
16 de Julho de 2020

Enfrentando uma queixa injusta de Carlos Lula?

Publicado por Carlos Lula
há 6 meses


Demitir funcionários pode ser um processo que causa uma reação posterior mais tarde, se você não tiver pontilhado todos os seus i's e cruzado todos os seus t's. Obviamente, como chefe, você tem o direito de contratar ou deixar trabalhadores. No entanto, com a demissão, existem certas salvaguardas que você realmente precisa tomar para garantir a proteção contra uma reivindicação injusta de demissão. Conheça a lei e proteja-se, pois você só pode demitir um trabalhador nas circunstâncias certas. A lei está estabelecida na Lei dos Direitos do Emprego (1996).

É um ato bastante detalhado e bastante claro, e afirma que há várias circunstâncias em que deixar uma pessoa ir é considerada inquestionavelmente injusta. Se qualquer trabalhador for demitido por um dos motivos expostos, ele tem o direito de fazer uma reclamação injusta, independentemente de estar trabalhando há uma semana ou vários anos. Existem outros motivos, mas eles têm um período de qualificação de um ano.

O que constitui uma demissão injusta? Os trabalhadores absolutamente não podem ser dispensados ​​por participar de atividades sindicais ou por se recusarem a participar de uma. Eles estão autorizados a desempenhar tais funções quando apropriado. Se um trabalhador sindical é declarado redundante, essa é a base para uma reivindicação. Quaisquer demissões baseadas em raça, cor, credo, gênero ou outras questões conhecidas e documentadas de direitos humanos são injustas e resultariam em uma reivindicação quase imediatamente. Há duas maneiras pelas quais isso pode ficar fora de controle - seja um pedido de demissão injusta ou um processo de discriminação. O processo de discriminação seria muito rígido. A demissão por estar grávida ou tirar licença de maternidade é automática, assim como as dispensadas por licença parental ou de adoção.

Se você buscou horários de trabalho mais flexíveis ou pediu tratamento igual como trabalhador em período parcial e perdeu o emprego por causa disso, você tem motivos para uma reivindicação de demissão injusta. O número de motivos declarados no ato é bastante exaustivo e inclui outras coisas, como receber um salário mínimo e pedir que alguém vá com você a uma audiência disciplinar. A lei relativa a essa área de trabalho é volátil e líquida, portanto, é melhor acompanhar o que está acontecendo. É claro que isso é difícil de fazer se você estiver tentando administrar uma empresa ao mesmo tempo. Terceirização é a resposta perfeita. Obtenha aconselhamento profissional de uma empresa que possa ajudá-lo no jargão jurídico. Os casos de demissão sem justa causa são longos e envolvidos e podem causar sérios problemas à sua empresa.

Formação em Direito do Trabalho por Carlos Lula - Onde Aprender?

Você decidiu que precisa de treinamento em direito do trabalho, o que é fantástico. Então, de onde você tira essa educação? A maioria das universidades e faculdades oferece cursos de RH e, especialmente, treinamento em direito do trabalho. Mesmo que você tenha uma equipe dedicada que se concentra no lado de RH da sua empresa, ainda deve conhecer os meandros da legislação trabalhista. Isso permite que você libere sua própria equipe de RH, caso precise diminuir o tamanho da sua empresa. Muitas vezes existem seminários, cursos on-line e sessões de aula que são oferecidas continuamente. Eles também variam em preços de graça a milhares de líbras.

O preço de conhecer as leis trabalhistas é pequeno comparado ao dinheiro que você pode gastar em se defender ou em pagar reivindicações a ex-funcionários ao longo dos anos. Saber quais são seus direitos legais, bem como os de seus funcionários, pode lhe dar tranquilidade. Então, onde você deve começar a procurar? Comece a procurar na sua universidade local. Descubra quais cursos eles oferecem e que podem ser ajustados à sua programação. Verifique com as academias de treinamento locais os seminários de treinamento em direito do trabalho e assista ao jornal para os próximos eventos de treinamento em direito do trabalho.

E se você não tiver tempo para participar de um curso? Sua universidade local deve ser capaz de lhe dizer se você pode fazer o curso on-line de acordo com sua conveniência ou pelo correio. Talvez você precise ajustar o teste estranho à sua programação noturna, no entanto, isso não deve ocupar muito do seu tempo. Não tem certeza se você pode tirar o dia de folga para um seminário? Frequentemente, os seminários são oferecidos à noite, on-line ou nos finais de semana. Sempre que possível, organize um dia para aprender as leis trabalhistas, pois esse conhecimento é crucial para os seus negócios. Reservar tempo para algo tão importante quanto o treinamento em direito do trabalho deve ser uma alta prioridade em sua lista, pois beneficia você e sua empresa.

O treinamento em direito do trabalho é fácil de adquirir e necessário. Conhecer os meandros das leis trabalhistas pode ajudar a proteger você e sua empresa, algo que você trabalhou duro para construir. A formação em direito do trabalho se tornará um trunfo para o seu negócio, porque o sucesso da sua empresa reside nos funcionários que você contratar. Se eles estão determinados a ajudá-lo a tornar seu negócio um sucesso, você deve estar tão determinado a conhecer as leis trabalhistas, para que possa proteger todo o seu trabalho árduo, além de protegê-las - como muitas leis trabalhistas se aplicam a seus funcionários.

Optando por usar consultores em Direito do Trabalho por Carlos Lula

Se você é um empregador, pode ser uma boa ideia procurar aconselhamento de consultores em direito do trabalho. Eles ajudarão você a entender as complexas leis trabalhistas do Reino Unido, que sempre mudam, o que essencialmente ajudará a mantê-lo nos negócios.

Como os consultores em direito do trabalho podem ajudar Carlos Lula

Se você emprega pessoas para o seu negócio, é legalmente responsável pelo bem-estar delas. Existem tantas leis trabalhistas diferentes no Reino Unido que você precisa conhecer, mas a maneira como elas são explicadas às vezes é difícil para os empregadores entenderem. É por isso que geralmente é uma boa ideia contratar alguém que saiba tudo sobre as diferentes leis trabalhistas atualmente em vigor. Basicamente, quando você pensa em leis trabalhistas, há um grande número de fatores aos quais elas se relacionam. Você tem leis sobre salário por doença, salários, demissão, saúde e segurança e assédio sexual, para citar apenas alguns. Isso significa que você pode facilmente encontrar-se no lado errado da lei, sem querer, e isso pode resultar em uma reivindicação de compensação realmente grande. Além disso, a reputação do seu negócio sofreria e isso poderia te perder clientes em potencial.

Idealmente, sua empresa terá um livreto que define claramente todos os procedimentos e políticas que os funcionários precisam conhecer. Deve cobrir o que eles devem fazer em caso de acidente ou incidente. Você também deve fornecer informações sobre o procedimento de reclamações, se houver algum problema. Este é um requisito legal e todas as empresas devem ter um. Outra razão pela qual um consultor pode ajudar é porque os empregadores também têm que informar os funcionários sobre as leis trabalhistas. Essa seria uma tarefa realmente difícil se você não souber a primeira coisa sobre as leis. Portanto, se você tivesse um consultor, ele seria capaz de mantê-lo atualizado e explicar as coisas claramente. Você seria capaz de transmitir seu conhecimento à sua força de trabalho. Você deve explicar tudo por meio de um livreto e esse livreto deve ser examinado pelo seu orientador antes de imprimi-lo.

No geral, se você não fornecer a seus funcionários todas as informações necessárias para fazer uma reclamação, eles poderão levá-lo a um tribunal industrial. Isso pode custar muito dinheiro e você precisará do conselho de consultores em direito do trabalho.

Direito do Trabalho de Carlos Lula - Um Breve Guia

Se você estiver administrando uma empresa, a primeira coisa que você precisa conhecer é o direito do trabalho. Administrar uma empresa significa muitas coisas, mas acima de tudo, significa que você tem obrigações com seus trabalhadores, pois elas têm responsabilidades e obrigações com você. Dito isto, no entanto, isso nem sempre é a coisa mais fácil de controlar. Não é como se houvesse apenas uma ou duas leis trabalhistas. Infelizmente, há o suficiente para encher um livro, mas não podemos entrar em todos eles aqui. No entanto, abordaremos alguns dos principais.

A primeira coisa é que você deve garantir que está pagando à sua equipe pelo menos o salário mínimo. Os salários mínimos a serem pagos são exigidos pela Lei do Salário Mínimo Nacional (1998) e pelo Regulamento do Salário Mínimo Nacional (1999). Os atos estabelecem o que você pode pagar a seus trabalhadores, dependendo da idade deles (menores de 18 anos, menores de 21 anos ou maiores de 21 anos). O salário máximo atualmente definido para um funcionário com mais de 21 anos é de £ 5,52 por hora. Essas coisas mudam anualmente, portanto, sempre mantenha-se a par das mudanças ou corra o risco de colidir com a lei. Você também encontrará outro ato que se aplica diretamente aos seus funcionários. O Regulamento do Tempo de Trabalho (1998), entre outras coisas, estabelece quanto de descanso seus trabalhadores têm. Ele também trata de férias, assim como em quanto tempo eles têm direito para o ano.

Seu local de trabalho também não seria compatível, a menos que você tivesse leis antidiscriminatórias em vigor. Isso é bastante padrão na arena comercial de hoje, mas vale a pena repetir caso você tenha alguma dúvida. É ilegal discriminar com base em gênero, sexualidade, raça, crença religiosa ou deficiência. No total, existem cerca de oito leis e regulamentos que tratam dessa área do direito do trabalho. Em um mundo ideal de trabalho, seria uma boa idéia ter uma cópia de todos os atos e regulamentos aplicáveis ​​ou alguém da sua equipe que os conheça de dentro para fora. As leis de discriminação também abrangem as áreas relativamente novas de licença de paternidade e direitos de adoção. A licença de maternidade é uma pedra angular da legislação há muitos anos. Os Atos e Regulamentos que regem essas áreas estabelecem o período de tempo permitido para licença de maternidade, paternidade e adoção, mais o quanto será pago enquanto os funcionários estiverem de licença. Existem outras circunstâncias cobertas nesta legislação, como estender a licença e sob quais circunstâncias, sem mencionar o direito de retornar ao trabalho e quando.

Há muito a ser abordado nessa área do direito do trabalho e seria do seu interesse garantir que você esteja atualizado com as regras e regulamentos. Caso contrário, se seus funcionários de recursos humanos tiverem treinamento nesta área, você poderá confiar neles para obter informações atuais.

O treinamento em Direito do Trabalho sugere que os empregadores ofereçam empregos alternativos antes de despedimentos

Os empregadores que enfrentam uma série de redundâncias difíceis devem considerar oferecer empregos alternativos aos funcionários.

No mercado cada vez mais competitivo de hoje, alguns empregadores podem muito bem achar que enfrentam decisões difíceis, com a dura realidade sendo que eles não têm outra opção senão tornar alguns de seus funcionários redundantes. Obviamente, essa é uma situação difícil, mas que cada vez mais empresas enfrentam à medida que a economia luta para lidar à beira de uma possível recessão. Mas você já considerou todas as opções - não entre imediatamente e dê o passo drástico de dispensar a equipe sem explorar todas as outras abordagens possíveis. Você poderia, por exemplo, minimizar o impacto de sua posição difícil encontrando funções alternativas para os funcionários da sua organização? Pode levar tempo para resolver isso e resolver o quebra-cabeça de mover pessoas entre diferentes departamentos, mas pode valer a pena a paciência e o esforço.

Essa abordagem pode parecer a solução perfeita e pode salvá-lo do temido anúncio de redundância.

Mas os empregadores precisam garantir que permaneçam do lado direito da Lei dos Direitos do Emprego de 1996 quando se trata de gerenciar o processo. Você não quer descobrir que, simplesmente, tentando ajudar seus funcionários, está violando as regras e colocando sua empresa em problemas.

O Tribunal de Apelação do Emprego também estabeleceu novas diretrizes para explicar como você deve gerenciar a oferta de um emprego alternativo e, definitivamente, há armadilhas que você precisa evitar. Os empregadores devem oferecer à pessoa um período de teste no novo emprego em potencial, geralmente quatro semanas é o tipo certo de escala de tempo, pois isso proporcionará a você e a eles a chance de avaliar cuidadosamente se é uma decisão adequada. Comunique claramente aos funcionários envolvidos como o período de teste para um trabalho alternativo funcionará, desde o início - não os deixe em dúvida sobre sua posição.

Certifique-se de que eles sabem que, se quiserem recusar o novo emprego, devem fazê-lo dentro do período de quatro semanas, porque, se não o fizerem, e o prazo de quatro semanas passar sem uma decisão formal, poderão perder o direito de um pagamento de redundância legal. Certifique-se também de que qualquer emprego alternativo proposto seja realmente adequado para o funcionário envolvido, e não apenas uma posição em que você tenha uma vaga. Oferecer à sua equipe um emprego que você sabe que estará além das habilidades deles ou totalmente fora de suas atribuições pode colocá-lo em risco de uma reivindicação de demissão injusta. É perfeitamente compreensível que os chefes tentem ajudar sua equipe, principalmente se estiverem na sua empresa há muito tempo, mas verifique se você está operando dentro das diretrizes e se uma oferta alternativa de emprego é realmente apropriada. Você não quer piorar ainda mais a situação, aumentando a esperança de evitar o machado com uma possível nova oferta de emprego, apenas para descobrir que isso não é adequado para você ou para eles, e eles são confrontados com a redundância, afinal.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)